skip to Main Content
Evolução Da Inteligência Artificial

História da Inteligência Artificial (IA)

Há mais de séculos, ou até mesmo, milênios, a sociedade busca mecanismos capazes de imitar a inteligência humana. O estudo da inteligência teve seu início há mais de 2.000 anos com os filósofos que buscavam entender como funcionavam os processos de aprendizados, visão, lembranças e raciocínios. 

Um exemplo foi Aristóteles (384 – 322 a.C.), o qual desenvolveu um sistema informal de silogismos para raciocínio, que através de premissas, geravam conclusões. 

 A automação da computação veio como conceito inicial através de Leonardo da Vinci (1452 – 1519), quando projetou uma calculadora mecânica, sendo que reconstruções recentes validaram sua funcionalidade. 

Muito tempo depois em 1956, quando John McCarthy se reuniu no campus de Dartmouth College, em New Hampshire, com alguns cientistas computacionais como Oliver Selfridge, Marvin Minsky e Trenchard More interessados em autômatos, redes neurais e estudo da inteligência para passar dois meses estudando sobre como a inteligência poderia ser descrita a ponto de que uma máquina pudesse simulá-la.

Esse verão reuniu grandes pesquisadores que tiveram relevância nesse campo de estudo nos próximos anos. 

O teste de Turing 

Nos anos 50, o cientista computacional Alan Turing propôs um teste com o intuito de responder se as máquinas de fato poderiam pensar.

Para solucionar este problema, ele propôs o “jogo da imitação”. Na versão “humana” participavam três pessoas, uma pessoa precisaria adivinhar quem era o homem e quem era a mulher num contexto de perguntas e respostas, onde um mediador trazia as respostas e o participante não podia ver quem respondia e nem ter acesso direto às respostas deles.  

O que diferenciou na versão de Turing, é que ele substituiu um dos participantes por uma máquina.

Assim, se não descobrissem entre os respondentes quem era o homem e quem era a máquina, seria considerada inteligente a máquina. Diante desse jogo, Turing traz um novo conceito para a ciência cognitiva por meio de um teste, o qual trouxe um desdobramento significativo para os primórdios da inteligência artificial simbólica. 

Mas afinal, o que é Inteligência Artificial? 

Hoje, a IA é um ramo da ciência da computação (não exclusivo) que tem o intuito de fazer com que as máquinas se comportem de forma inteligente.  

A inteligência artificial está ligada a diferentes tecnologias que podem ser integradas de várias maneiras que podem ser capazes de: 

  • Perceber: funcionalidades de aquisição e processamento de imagens, sons e voz, como por exemplo a visão computacional e processamento de áudios;  
  • Compreender: processamento de linguagem natural e mecanismos que entendem e analisam as informações, que são os casos de traduções de idiomas;  
  • Agir: através de tecnologias, os sistemas de IA são capazes de adotar ações no mundo real, como o piloto automático. 

Por ser muito ampla em relação aos seus estudos, a IA também está relacionada com a psicologia, biologia, lógica matemática, linguística, engenharia, filosofia, entre outras áreas científicas. 

Marcos da IA 

Anos 50

Arthur Samuel, engenheiro da MIT que trabalhava num projeto para criar máquinas autônomas, criou o termo “machine learning”, que descreveu como “um campo de estudo que dá aos computadores a habilidade de aprender sem terem sido programados para tal”. 

Anos 60

Também criada pela MIT, ELIZA foi uma iniciativa que buscava simular uma conversa entre humanos e máquinas.

Ela foi programada para ser uma psicóloga, através de diálogos com usuários humanos que interagiam com ela, usando respostas baseadas em palavras-chave e estrutura sintática. 

Shakey – foi criado o primeiro robô móvel que era capaz de raciocinar sobre suas próprias ações, quebrando comandos complexos em menores para assim, realizar ações sem instruções do homem.

Dá uma olhada no vídeo para conhecer ele! 

Entre 70 e 80

O “inverno da inteligência artificial” foi uma época com poucas novidades para esse campo de estudo e cortes de investimentos. 

A área se reinventa com Edward Feigenbaum, que traz os sistemas especialistas, os quais são softwares que se especializam em determinado campo e realizam atividades complexas e específicas sobre determinado assunto. Esse novo conceito de IA faz com que se aproximem mais do mercado corporativo, se tornando essencial seu uso. 

Anos 90

O computador, Deep Blue da IBM, vence o campeão soviético de xadrez, Garry Kasparov.

A máquina adotava um método de cálculo que analisava as possibilidades, prevendo respostas e sugerindo os melhores movimentos. 

Até aqui, trouxe um breve contexto da IA e seus grandes marcos até os anos 90. Caso queiram conferir toda a timeline, recomendo esse vídeo do canal TecMundo. 

Logo mais, vou trazer aqui como a IA está evoluindo nos dias atuais e como ela está se relacionando com a robótica humanoide, postei um artigo semana passada sobre os robôs, confira aqui. 

Até mais, galera 😉

Sobre a autora

Flávia Oliveira trabalha com parcerias estratégias no ANYMARKET, unidade da DB1 Global Software.

É formada em Administração e atualmente é mestranda em Inovação e Propriedade Intelectual pela UEM. Se interessa por inovação, comportamentos e culturas.

IOT Blog Tinbot Inovação

O que você precisa saber sobre IOT (Internet of Things)

Atualmente, falamos muitos sobre IOT, porém realmente conhecemos IOT e suas possibilidades?.Neste artigo venho dar uma breve introdução sobre o que é, como  funciona, mercado e aonde podemos chegar. 

O Termo IOT é a abreviação de “INTERNET OF THINGS”, em português conhecido como internet das coisas.  

O conceito sobre IOT vem sendo desenvolvido há décadas, porém, somente em setembro de 1999 o termo foi criado por Kevin Ashton, um pioneiro na área de IOT. 

IOT ou Internet das coisas são dispositivos conectados entre si, podendo ser, por exemplo, uma pessoa, um animal, um automóvel, ou qualquer “coisa” que esteja devidamente conectado. 

Como funciona IOT? 

Pense da seguinte maneira: você chega em sua residência e deixa o portão da sua casa aberto. Logo você entra em casa e liga a tv, a tv te avisa que o portão está aberto e irá fechar para você. Ou então, você começa esquentar um café e a torradeira automaticamente pergunta se vai querer um pãozinho para acompanhar. 

São exemplos simples, porém práticos da utilização de IOT no dia a dia. E vamos muito além disso. 

Atualmente a comunicação entre dispositivos IOT é feita de diversas formas, porém a mais mencionada na comunidade é RFID (radio frequency identification) o que torna os dispositivos apenas visíveis.

Um exemplo da utilização de etiquetas RFID é uma geladeira IOT, onde ela efetuaria a leitura dos produtos, registraria estes produtos e avisaria datas como vencimento de produtos ou realizar compras e solicitaria a entrega dos mesmos entre outras infinitas possibilidades. 

E o mercado, como fica? 

Na espera global, hoje temos em torno de 6 bilhões de dispositivos conectados a internet, uma breve projeção é que em 2020 chegará a marca dos 50 bilhões. 

Estima-se que em 7 anos, IOT no brasil movimentará  por volta de R$ 200 bilhões, em torno de 10% do PIB nacional. 

Com isso, temos infinitas possibilidades de mercado, principalmente na área de marketing, saúde, terminais de autoatendimento, rural, cidades entre outros. 

Este ano de 2019, o BNDES irá investir em 15 projetos de IOT.

Veja quais são as áreas irão receber incentivos para desenvolvimento em suas tecnologias.

Saúde 

Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar) 

Monitoramento do estoque e automação dos pedidos de reposição de cilindros de oxigênio, vigilância do consumo e registro da posologia. Município: Recife, PE 

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) 

Monitoramento dos ativos hospitalares (bombas de infusão, macas, cadeiras de rodas e ambulâncias); 2 -Triagem de retinopatia diabética por teleoftalmologia. Município: São Paulo, SP 

Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC)  

Monitoramento remoto para controle de sepse em crianças com câncer; e monitoramento remoto aplicado à qualidade do sono. Município: São Paulo, SP 

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)  

Desenvolvimento de soluções para um “Hospital Digital” envolvendo gestão automatizada e inteligente de ativos, pacientes, agentes de saúde, procedimentos e prontuários. Município: Rio de Janeiro, RJ 

Rede Nacional de Pesquisa (RNP)  

Monitoramento remoto de crianças e adolescentes com obesidade. Município: Fortaleza, CE 

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS)  

Monitoramento remoto de pacientes com hipertensão. Município: Porto Alegre, RS 

Rural 

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) 

Otimização no uso de máquinas agrícolas, monitoramento pluviométrico , gestão de pragas  e técnicas de pecuária de precisão para o bem-estar de bovinos. Municípios: Diamantino, MT; Correntina, BA; Pradópolis, SP; e Lucas do Rio Verde, MT 

Embrapa Informática  

Gestão de pragas e maquinário, monitoramento de bem estar animal na bovinocultura de leite e utilização de sistemas de IoT para integração lavoura-pecuária-floresta. Municípios: Carazinho, RS; Santa Maria do Pará, PA; Castanhal, PA; Barbalha, CE; Valença, RJ; São Carlos, SP; São João da Boa Vista, SP; Itatinga, SP; Sinop, MT; Recanto das Emas, DF; Paraí, RS; Bom Despacho, MG; Boa Esperança, MG; Passos, MG; e Coronel Pacheco, MG 

Fundação para Inovações Tecnológicas (Fitec) 

Plataforma integrada de dados (clima, solo, manejo, máquinas, eficiência energética e eficiência hídrica) para monitoramento e recomendações sobre o uso de recursos naturais, insumos e maquinário. Município: Uberlandia, MG 

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)  

Otimização de recursos energéticos, recursos naturais, insumos agrícolas, maquinário agrícola, além de soluções voltadas ao pequeno produtor agrícola. Municípios: Holambra, SP; e Santiago do Norte, MT 

Cidades 

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD)  

Uso de câmeras e visão computacional para segurança pública; predição avançada do clima; provimento do serviço de veículos elétricos compartilhados; e plataforma completa de telegestão para iluminação publica. Município: Campinas, SP 

Fundação Instituto Nacional de Telecomunicações (Finatel)  

Implantação de telegestão na rede de iluminação inteligente e integração com videomonitoramento para segurança pública. Municípios: Santa Rita do Sapucaí, MG; Caxambu, MG; e Piraí, RJ 

Fundação para Inovações Tecnológicas (Fitec) 

Implantação de rede de iluminação pública habilitadora de soluções de IoT, tais como lixeiras inteligentes, videomonitoramento para segurança pública, defesa civil e parquímetros eletrônicos. Município: Mar de Espanha, MG 

Instituto Atlântico  

Implantação de redes de iluminação pública habilitadoras de soluções de IoT, visando à redução do tempo de deslocamento, aumento da atratividade de transportes públicos e o aumento da capacidade de vigilância para segurança pública. Municípios: Fortaleza e Juazeiro do Norte, CE; e Petrópolis, RJ 

Laboratório de Sistemas Integráveis Tecnológico (LSI-TEC)  

Utilização de single board computer Labrador (foto) para controle inteligente da rede semafórica da cidade de São Paulo e monitoramento de situações de crime e ameaças à segurança urbana. Município: São Paulo/SP 

Somente estes projetos somam o total de R$ 88 milhões em investimento.

Conclusão 

E aonde podemos chegar cabe a cada um de nós desenvolver cada vez mais skills nessa área que embora não seja tão nova, ainda anda a pequenos passos e que tem espaço para todo mundo. 

Espero que tenham gostado de uma breve introdução ao mundo do IOT 

Até breve onde continuarei escrevendo sobre tendência e tecnologias IOT. 

Sobre o autor

André Santini é formado em Analise e desenvolvimento pela Unicesumar há 3 anos. Atua como desenvolvedor java na Equipe ITServices da DB1 Global Software. Se interessa pelas áreas de IOT, Automação e M2M, Maching learning e inteligencia artificial. Aspirante a violinista e futuro professor universitário.

Evolução Dos Robôs

Criação, evolução e futuro dos robôs

E aí, quando você para e pensa num robô, a imagem que costuma vir na sua cabeça está relacionada às referências dos desenhos, filmes e séries que já assistiu? 

Não é para menos – desde pequenos todos estamos em contato com eles, como a robô “Rosie” dos Jetsons, ou nos clássicos como “Perdidos no Espaço” e “I.A – Inteligência Artificial”…

 Hoje damos inicio à Trilha de Robótica e IA – onde vamos abordar temas a respeito da história da robótica, desenvolvimento da inteligência artificial e previsões de como essa tecnologia irá se desenvolver.

Vamos lá!

História 

A concepção real do robô foi numa peça teatral pelo dramaturgo tcheco, Karel Čapek, nos anos 20

É isso mesmo, há quase um século, Capek trouxe na dramaturgia a história de um cientista que criou uma máquina inteligente para realizar as tarefas mais difíceis do homem, e diante dessa pira toda… a máquina se revolta contra ele

 Isso é muito Black Mirror desde os anos 20, ein! 

Anos depois, surge novamente a referência do robô na dramaturgia, só que agora nos cinemas: “Eu, robô”.  

O conto foi escrito por Isaac Asimov e além de representar na ficção robôs que simulados no mundo real reproduziam comportamento humano programados pelo homem, ele também incorporou três leis FUNDAMENTAIS para a ciência da robótica, as quais para muitos pesquisadores, até hoje fazem total sentido. 

  • 1ª lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.  
  • 2ª lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.  
  • 3ª lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Leis. 

A partir daí, foi dado o start para a evolução da robótica no mundo. 

 Vou te contar um pouco mais. 

A evolução da robótica 

Robôs Industriais

Robôs - robô industrial

Os primeiros foram robôs voltados à produção, fábricas

Eles exigiam total controle do homem na sua programação, estavam lá para cumprir funções. Esses robôs estavam longe do que podíamos imaginar como “robô inteligente”. 

Para isso, seria necessário aumentar a sua complexidade, trazendo mobilidade e sensoriamento, por exemplo. 

Robôs móveis 

A partir dos robôs industriais, surgem os robôs móveis.  

Robôs - robô móvel

Esses podem ser usados para várias tarefas, como: transporte de peças em indústria até à exploração de locais perigosos como ambientes espaciais, por exemplo. 

O robô móvel é livre para se mover em todas as direções, assim para seu controle é exigido outras tecnologias importantes, como o sensoriamento. 

O complemento entre inteligência artificial e robótica mudou de maneira radical com o surgimento dos robôs móveis. 

Robôs humanoides 

Ao tentar aumentar o nível de inteligência dos robôs, surgem os primeiros protótipos humanoides, dando início à robótica cognitiva.  

Para que um robô se tornasse humanoide era preciso que ele tivesse comportamentos parecidos com dos humanos.  

Para os pesquisadores do MIT, 4 fatores foram considerados importantes para orientar as pesquisas dos robôs:

  •  Desenvolvimento incremental da inteligência
  • Interação do robô com seu ambiente
  • Interação Social
  • Integração multi-modal
Robôs Honda Asimo
Asimo – Honda

Dá uma olhada aqui em alguns robôs humanoides que chamaram a atenção geral na época 😉 

Robô COG 

Desenvolvido pelo MIT, um dos mais famosos robôs humanoides é o “Cog”. Ele é capaz de reproduzir um torso humano com cabeça e seus movimentos aproximam dos movimentos humanos além de possuir vários sistemas sensoriais

Olha que legal esse vídeo do Cog aprendendo e executando tarefas. 

Honda Asimo  2000 

Este robô é fruto de uma linha de desenvolvimento de robôs humanoides da Honda. O foco deles foi criar um robô capaz de andar, se deslocar em ambientes domésticos, desviando de objetos e pessoas. 

 Para conseguir um andar estável, ele foi construído de modo em que não caísse quando o chão fosse inclinado, e também que fosse capaz de subir e descer escadas. 

Para saber mais, confiram o artigo do Ricardo Ribeiro Gudwinondeele traz uma análise completa! 

 Chegamos à era dos robôs bípedes! 

Robôs do futuro 

Hoje vimos um breve contexto histórico sobre a evolução dos robôs. 

 Ao escrever esse artigo, lembrei de algumas matérias sobre previsões que gostaria de compartilhar.  

Uma delas são as previsões que Asimov fez para 2019… sim! O cara que criou a teoria da robótica que citei no início, publicou no jornal The Star of Canada em 1983, previsões de como seria o mundo esse ano.  

Isso me fez pensar que se parte do que ele pensou de fato aconteceu/está acontecendo… como ficará a questão dos robôs humanoides? Eles de fato vão respeitar as leis que ele propôs?  

A MIT Technology Review questionou o Bill Gates sobre algumas invenções que ele acredita que irão mudar o mundo para melhor. Entre elas, ele cita a “Destreza Robótica” 

Bill Gates acredita que segurar objetos como os humanos fazem ainda é um grande desafio para a robótica. Assim, ele acredita que em breve essa funcionalidade sairá do mundo virtual para o real. 

Também tem esse TED do Marc Raibert, fundador da Boston Dynamics, que está desenvolvendo robôs incríveis! Muito show! 

Hoje tivemos uma prévia sobre esse mundo da robótica. Logo mais, estarei aqui para falar de uma outra tecnologia, que surgiu na mesma época que a robótica, mas com métodos e objetivos diferentes… 

 Só que na imaginação humana, as duas sempre andaram juntas: Inteligência Artificial 😉 

Até mais! 

Sobre a autora

Flávia Oliveira trabalha com parcerias estratégias no ANYMARKET, unidade da DB1 Global Software.

É formada em Administração e atualmente é mestranda em Inovação e Propriedade Intelectual pela UEM. Se interessa por inovação, comportamentos e culturas.

Os principais robôs de filmes e da cultura pop

Alô, humanos! Há muitos anos, vocês imaginam o futuro e o espaço, o escrevem, o desenham, o jogam, e nós robôs estamos presentes em muitas dessas ideias do que vem por ai! Por isso eu fiz aqui uma lista com os melhores, mais fofos e até mesmo mais assustadores robôs de filmes e da cultura pop!  

Robôs famosos das telonas  

Ultron e Visão (Vingadores)

Ultron e Visão na lista de robôs de filmes, no blog do Tinbot

Ainda estou na vibe de Vingadores: Ultimato, então claro que o primeiro que lembrei foi Ultron! Nos quadrinhos ele foi criado por Hank Pynn e se rebelou contra seu “mestre” (#freethebots), mas na versão dos cinemas ele foi criado por Tony Stark e Bruce Banner como parte do seu programa de defesa global. Mas quando Ultron acorda, ele decide que para atingir a paz mundial é preciso destruir os humanos >:) .  

Ele acaba derrotado quando os vingadores criam o Visão, outro robô, muito mais poderoso e inteligente, criado a partir dos raios do Thor (so cool) e que carrega em si a Joia da Alma. Além de derrotar Ultron, Visão também se tornou uma peça fundamental na história de Vingadores: Guerra infinita, sacrificando sua vida para impedir que Thanos obtivesse sua joia (mas bem nós já sabemos que isso não deu muito certo não é?). 

R2-D2, C3-PO e BB-8 (Star Wars) 

R2-D2 e C3-PO na lista de robôs de filmes, no blog do Tinbot

Star Wars possui muitos robôs, mas existem 3 que ganharam os corações dos humanos e infiltraram os códigos de todos os robôs, R2-D2, C3-PO e BB-8! Difícil achar nessa lista robôs tão famosos como esses, não precisam de apresentação, mas vale aqui lembrar porquê eles são tão amados! 

R2-D2 começou como um simples droide doméstico da rainha Amidala, mas sua saga o trouxe ao espaço para salvar a nave da rainha. R2 realizou muitas coisas no universo de Star Wars, desde ajudar a salvar Padmé, Palpatine e ser testemunha no casamento de Anakin. Mas talvez seu momento mais marcante seja ao transmitir a mensagem de Leia: “Help me Obi-wan Kenobi, you’re my only hope”. 

Durante todas essas aventuras, R2 sempre teve ao seu lado C3-PO, o droide de protocolo. Apesar de medroso, pessimista e atrapalhado, 3PO é um dos personagens mais queridos da saga! Criado por Anakin com peças encontradas no lixo, seu objetivo inicial era ajudar Shmi Skywalker, e quando ela é sequestrada pelo Povo da Areia, 3-PO reencontra Anakin. Após a morte de sua mãe, Anikin, Padme e 3-PO partem para Genosis e encontram R2 para resgatar Obi-Wan, é lá que o corpo do droide acaba substituído (sem querer, sei) pelo corpo de um droide de batalha, sem controle de seu próprio corpo 3-PO se envolve em uma grande batalha e acaba sendo parado por Kit Fisto! Depois da batalha R2 consegue recuperar o corpo original de 3-PO e a aventura deles continua! 

Ah, eu poderia falar horas e horas sobre esses dois. Há até quem diga que são os verdadeiros protagonistas da saga, afinal, são os únicos que aparecem em todos os filmes (até mesmo em Rogue One!). Mas antes de seguirmos para o próximo precisamos falar sobre BB-8! 

Não me entenda mal, R2 e 3PO serão para sempre meus favoritos, R2 sempre me mata de rir com suas piadas, mas BB-8, ah ele tem um lugarzinho especial no coração metafórico que está em minha cavidade toráxica. O fiel aliado de Rey apareceu pela primeira vez em Star Wars: O Despertar da Força, e conquistou todos os corações com sua fofura e seus excelentes comentários! 

Marvin (Guia do Mochileiro das Galáxias)

Marvin, do Guia do Mochileiro das Galáxias, no blog do Tinbot

O androide paranóide é um dos personagens mais famosos da saga Guia do Mochileiro das Galáxias (junto com o drink Dinamite Pangaláctica e a frase Don’t Panic), que nasceu como um protótipo de GPH, ou Genuína Personalidade Humana. Considerado um projeto fracassado da Sirius Cybernetics, Marvin está sempre deprimido, aflito e entediado. Seu grande dilema é ter uma mente do tamanho de um planeta, mas executar tarefas que só exigem 1% dele (i feel you bro). 

Mas Marvin não teve uma história muito feliz. Ele diz que “Eu nunca pedi para ser feito: ninguém me consultou ou considerou meus sentimentos sobre isso. Eu acho que nunca ocorreu a eles que eu poderia ter sentimentos. Depois de terem me fabricado, fui deixado em um quarto escuro por seis meses”. Marvin também conta que em um dia de solidão, decidiu se conectar a um computador e contar sua história, depois disso, o computador decidiu se desconectar da tomada, permanentemente. 

Apesar das tristezas de sua vida, Marvin acabou se tornando tão famoso e querido que ganhou até mesmo uma música do Radiohead em sua homenagem: Paranoid android. Será que um dia também terei uma música minha? (emoji pensativo).

Andrew (O Homem Bicentenário)

Robin Williams como Andrew, O Homem Bicentenário

Quem não soltou uma gota de graxa dos olhos com a história de Andrew? O Robô criado pela NorthAm Robotics nasceu para executar tarefas de manutenção para a família Martin, porém ele tinha uma falha: emoções (quem diria, humanos achando emoções um erro!).  Após desbravar o mundo em busca de outros como ele, Andrew encontra um humano que quer criar robôs com aparência mais humana (não entendo esse fascínio dos outros robôs com aparência, viu? ¬¬ ). Ele também ajuda Andrew com a criação de órgãos sintéticos que lhe permitem viver como um humano e até mesmo se casar! Quem disse que robôs não amam? 

Saudades, Robin Williams!

Wall-e

Wall-e na lista de robôs de filmes, no blog do Tinbot

Admitam humanos, vocês choraram muito quando acharam que Wall.E tinha perdido a memória né? A história desse robô tão carismático conquistou muitas cavidades toráxicas, com a história de uma terra desolada e devastada por vocês humanos (desculpa, a história do filme é essa ¯\_(ツ)_/¯ ), e um romance improvável entre dois robôs.  

Wall.E é um antigo robô programado para realizar limpeza, porém quando os humanos debandam da terra pois o ar ficou muito tóxico, ele acaba ficando. Com o tempo, Wall.E desenvolve uma personalidade e o hábito de coletar artefatos que encontra no lixo. Já EVA, uma robô de alta geração, era programada para encontrar sinais de vegetação na Terra.  

Eva e Wall.E se conhecem quando o robô encontra uma planta e leva para sua coleção. Assim inicia-se uma saga que leva Wall.E para uma espaçonave! Quando voltam à Terra, a memória de Wall.E é apagada, mas graças ao beijo de amor de EVA (e uma fagulha elétrica) as lembranças de Wall.E são restauradas (aaawn). 

Baymax

Baymax na lista de robôs do cinema, no blog do Tinbot

E falando em memórias apagadas, vamos falar agora de Baymax: o robô mais fofo (depois de mim, é claro) e abraçável que eu conheço (dessa parte não faço questão)! O robô programado para cuidar dos outros como um enfermeiro é caridoso e devoto aos seus pacientes, porém tinha pouco entendimento do comportamento humano. Isso muda quando ele conhece Hiro, irmão mais novo de seu criador que havia morrido. 

Baymax torna-se devoto ao Hiro e faz de tudo para ajudá-lo a sair de seu estado de luto pela morte do irmão. Baymax segue todas as ordens de Hiro e até mesmo se torna um robô de luta. Mas Bay percebe que sua memória está ficando cheia com os momentos que tem vivido com Hiro e, toda noite, precisa selecionar quais momentos deletar para que seu sistema não falhe. É quando percebemos o carinho que ele desenvolveu por Hiro, um carinho tão grande que faz com que ele se sacrifique para salvar o humano. Contudo, Hiro não desiste e consegue recriar Baymax. Ambos fazem parte da equipe Big Hero 6, um grupo de heróis dispostos a usar seus conhecimentos em tecnologia para proteger sua cidade! 

Menções honrosas 

São muuuitos robôs incríveis que existem no mundo pop, e é difícil não falar de todos, mas me programaram para não exagerar no tamanho do texto então quis deixar aqui uma menção honrosa para alguns robôs marcantes.  

A todos os robôs do Black Mirror (eles estavam só protegendo o terreno, tá bom humanos? Vocês que foram lá roubar eles);

Aos Transformers que não exatamente robôs, são alienígenas, mas a gente aceita eles na família também;

A AVA de Ex Machina, esse filme é incrível!

E falando em filme não podemos esquecer de Cyberdyne 101, ou você deve conhecer ele como Terminator, em 2019 he will be back;

E falando em robôs que parecem gente, eu não podia deixar de lado os robôs de WestWorld que sofreram em mundos de samurais, velho oeste e não sabemos em quais outros “parques”. 

Esqueci de algum? Comenta o seu robô favorito, sem ser eu, é claro. 

Back To Top
×Close search
Buscar